Nosso modo.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Podia não ser amor, podia não ser nada,
 mas foi amor e nada ficou no caminho
Talvez não fosse pra ser o que é; Na época sim; No passado também.
Todavia vingou sublime e si fez perfeito ao desajeitado modo de sermos
Era oriundo de medos e rico de desjeitos, mas sincero se tornou ao passo que houve ajeito
Me lembro de dois sorrisos que ganhava; Um de mistério e outro de medo. Que se tornou hoje um só; Eterno e perfeito
Tinha, na época, o medo de um partir de corações e o medo de novas sensações
Hoje o coração partido é uma boba analogia feita em estações frias de outros tempos.





3 comentários:

Duda Almeida disse...

Não conhecia aqui ainda, rs, mas já adorei. Muito bom e bonito o que tu escrever!
Beiijos:)
http://cartasp-voce.blogspot.com/

Juliana Barros (@minebarros) disse...

que texto lindo *-*
amei o blog, bem simples e lindo <3
ah, to seguindo (:
xo, @ourbag - Curta a fanpage no facebook!

Gislaine disse...

Adorei o texto, me emocionou. Li alguns textos aqui do blog e gostei bastante. Já estou seguindo e voltarei mais vezes aqui.
http://perfeitamenteteen.blogspot.com

Postar um comentário

Comentar não faz mal =]